JUANITA é um projeto sobre dança e literatura baseado na livre inspiração da obra de Carlos Castaneda, comparada e associada a outros autores que visitam o caminho da alma humana tais como Guimarães Rosa, Manoel de Barros, Clarice Lispector, Fernando Pessoa, Mircea Eliade, Tahir Shah, Dudude Herrmann, entre outros.

 

 

Aprofundar o estudo literário da obra de Castaneda, recontextualiza os princípios da vida, da morte, do conhecimento, do poder e do caminho do homem. Impossível não associar esse trabalho à trajetória/travessia mítica e real do herói humano e como o herói humano é a fonte e expressão dos arquétipos, do mito. Ao falar do herói humano, estamos evidentemente falando de nós, nosso cotidiano e como o cotidiano numa somatória do tempo é a nossa vida, nossa história. E nossa história inserida no mundo é a potência das artes, somos os próprios personagens à procura dos nossos corações.

 

 

JUANITA é o nome desse projeto de pesquisa e é sugerido como o espelho feminino de Don Juan, personagem mestre e feiticeiro central nos livros de Castañeda. Traz no bojo da sua sonoridade uma graça, uma comicidade e uma leveza, possíveis tangentes para aliviar a seriedade e o medo do caminho que se percorre e que se há de percorrer. Uma pergunta que um guerreiro sempre tem que se fazer, explica Don Juan à Castañeda: “Qualquer caminho é apenas um caminho e não constitui insulto algum ¾ para si mesmo ou para os outros ¾ abandoná-lo quando assim ordena o seu coração.

 

(...) Olhe cada caminho com cuidado e atenção. Tente-o tantas vezes quantas julgar necessárias... Então, faça a si mesmo e apenas a si mesmo uma pergunta: Possui esse caminho um coração? Em caso afirmativo, o caminho é bom. Caso contrário, esse caminho não possui importância alguma.”[1]

 

 

Sabedora do fundo infinito contido nessa pergunta, aceito uma variedade derivada ou ascendente dela que contém ou está contida nessas outras: “Como danço?” “O que quero dançar?” “O que preciso dançar?” “Como achar a mim, na minha dança?” “Posso?”. Este trabalho se essencializa através de três bastões: O ESPÍRITO, A ARTE EM DANÇA, A INSPIRAÇÃO NA LITERATURA.